Estatística

30 de set de 2011

YOGA BRAZIL --- VIDA INTERDEPENDENTE


Reflita sobre o padrão básico de nossa existência. Para fazer mais do que apenas sobreviver, precisamos de abrigo, comida, companhia, amigos, respeito dos outros, recursos e tudo mais — essas coisas não surgem apenas de nós mesmos, são todas dependentes dos outros.
Suponha que uma pessoa fosse viver sozinha em um lugar remoto e desabitado. Não importa quão forte, saudável ou educada seja, não haveria possibilidade de ela levar uma existência feliz e satisfatória. [...] Poderia tal pessoa ter amigos? Adquirir fama? Poderia se tornar um herói se quisesse? Acho que as respostas para todas essas perguntas é um definitivo não, porque todos esses fatores só surgem em relação a outros companheiros humanos.
Quando você é jovem, saudável e forte, às vezes tem a sensação de ser totalmente independente, de não precisar de ninguém. Mas isso é uma ilusão. Mesmo na flor da idade, simplesmente por ser humano, você precisa de amigos, não? Isso é especialmente verdade quando fica velho e precisa contar mais e mais com a ajuda dos outros. Essa é a natureza de nossas vidas como seres humanos.
Em pelo menos um sentido, podemos dizer que as outras pessoas são realmente a principal fonte de todas as nossas experiências de alegria, felicidade e prosperidade, e não apenas em relação a nossas interações diárias. É possível ver que as experiências desejáveis que cultivamos dependem da cooperação e interação com os outros; é um fato óbvio.

28 de set de 2011

YOGA BRAZIL --- A ELIMINAÇÃO DA RAIVA

O objetivo final do budismo é a condição imortal de Nibbana, a única realidade. Assim, aquele que aspira a que o estado deveria renunciar buscas mundanas e anexos, que são efêmeras, por causa dessa realidade. Mas há muito poucos os que são suficientemente maduros para se desenvolver para atingir esse estado nesta vida. Assim, o Buda não força a vida ... de renúncia sobre aqueles que não têm a capacidade espiritual para embarcar na vida superior.
Portanto, deve-se seguir o caminho de vantagem mundana que é duplo, ou seja, a vantagem obtida aqui nesta vida e com a vantagem obtida em vidas futuras, como passos no caminho para a vida espiritual. Embora se possa desfrutar dos prazeres da vida, devemos considerar o corpo como um instrumento com o qual se praticar a virtude para benefício próprio e do outro, em suma, deve-se viver uma vida útil de integridade moral, uma vida de simplicidade e de escassez de desejos .
No respeitante à aquisição de riqueza, o Buda disse: "É preciso ser diligente e enérgica", e no que respeita à salvaguarda da própria riqueza, "é preciso estar atento e econômica."
Não é impossível que mesmo a vida de um homem pode ser de alguma forma ou de outra perturbado e assediado, como resultado das ações de "inábil" os homens. Embora isto possa induzi-lo a abandonar o seu caminho escolhido, é nesses momentos que é preciso não esquecer os passos a serem tomados com o propósito de estabelecer a paz. De acordo com o ensinamento do Buda isso inclui a reflexão: "Outros podem ser prejudiciais, mas vou ser inofensivos, assim que eu deveria treinar-me." Não devemos esquecer que todo o espírito do budismo é um dos pacificação. Na atmosfera calma e plácida de ensinamentos do Buda há todas as chances, todas as possibilidades, de remover o ciúme, ódio e violência de nossa mente.
Não é de admirar se, às vezes, em nossa vida cotidiana, sentir raiva de alguém sobre algo. Mas não devemos permitir que este sentimento a residir em nossa mente. Devemos tentar controlá-la no exato momento em que surgiu. Geralmente existem oito maneiras de reduzir ou controlar nossa ira.
O primeiro método é para lembrar os ensinamentos do Buda. Em situações muito diversas, o Buda explicou as desvantagens de um temperamento explosivo. Aqui está uma de suas advertências:
Suponha que alguns bandidos pegar um de vocês e cortar seu membro por membro do corpo com uma serra de duas mãos, e se ele deve se sentir irritado mesmo assim, naquele momento, ele não é seguidor do meu ensino.- Kakacupama Sutta, Majjhima Nikaya 21Novamente:Como um log de uma pira, queimado nas duas extremidades e sujo no meio, não serve nem para lenha na aldeia, nem de madeira na floresta, então é um homem tão irado.- Anguttara Nikaya II, 95Além disso, podemos considerar o conselho do Buda para ser encontrada no Dhammapada:Ele abusou de mim, ele me bateu, ele me derrotou, ele me roubou da minha propriedade. Pensamentos todo aquele porto tal, nunca será capaz de ainda sua inimizade.Nunca de fato é o ódio pelo ódio calar, mas só vai ser acalmado pelo ódio não - esta é uma lei eterna.
- Dhp, vv.. 05/04Não falam asperamente a ninguém. Aqueles que são duramente falado poderia retaliar contra você. Palavras de raiva ferir os sentimentos dos outros, mesmo golpes podem ultrapassá-lo em troca.
- Dhp, v. 133.Tolerância é o mais alto respeito. A paciência é a maior virtude. Assim, os Budas dizer.
- Dhp, v. 184.Que um homem retirar a sua raiva. Deixá-lo de raiz o seu orgulho. Deixá-lo superar todas as cadeias das paixões. Sem sofrimentos ultrapassá-lo que nem se apega a mente e corpo, nem reclama nada do mundo.
- Dhp, v. 221.Conquistar a raiva pela raiva não. Vencer o mal com o bem. Conquer avareza por liberalidade. Conquistar um mentiroso por veracidade.
- Dhp, v. 223.Guarde sua mente contra uma explosão de sentimentos errados. Manter a sua mente controlada. Renunciando os maus pensamentos, desenvolver a pureza da mente.
- Dhp, v. 233.Se contemplando o conselho do Buddha, desta forma não se pode conter a sua raiva, então deixá-lo tentar o segundo método.Naturalmente, qualquer pessoa má pode possuir alguns de boa qualidade. Alguns homens são maus em mente, mas falam em linguagem enganosa ou maliciosamente executar suas ações de forma inocente. Alguns homens são grosseiras apenas em seu idioma, mas não em sua mente ou ações. Alguns homens são grosseiros e cruéis em seus atos, mas não em seu discurso, nem em sua mente. Alguns são suaves e tipo na fala, mente e ação também.
Quando nos sentimos irritados com qualquer pessoa, devemos tentar descobrir algo de bom nele, seja em sua forma de pensar, ou em seu modo de falar ou em sua forma de atuar. Se encontrarmos alguma boa qualidade nele, devemos refletir sobre o seu valor e ignorar suas más qualidades como fraquezas naturais que podem ser encontrados em todos. Enquanto pensarmos assim, nossa mente vai amolecer e podemos mesmo sentir gentilmente para essa pessoa. Se desenvolvermos esta maneira de pensar, seremos capazes de reduzir ou eliminar nossa raiva em direção a ele.
Às vezes, este método pode não ser bem sucedido e então teremos de tentar o terceiro método. Basicamente, isto implica refletindo assim:
"Ele tem feito algum mal a mim e ao fazê-lo estragou sua mente Então porque eu deveria estragar ou prejudicar minha própria mente por causa de sua loucura Às vezes eu ignoro apoio ou ajuda oferecida pelos meus parentes;.? Às vezes suas lágrimas, mesmo derramado por causa da minhas atividades. Sendo uma pessoa desse tipo me, por que eu não deveria, portanto, ignorar que a ação do homem insensato?"Ele fez isso errado, sendo sujeitos a raiva, eu deveria segui-lo também, fazendo com que o meu espírito sujeito à ira? Não é tolo a imitá-lo? Ele abrigar seu ódio destrói a si mesmo internamente. Por que eu deveria, por sua conta, destruir minha reputação?
"Todas as coisas são momentâneas. Ambos sua mente e corpo são momentâneos também. Os pensamentos eo corpo com o qual o errado foi feito para mim, não estão agora em vigor. O que eu chamo o mesmo homem agora são os pensamentos e as partes físicas que são diferentes das os mais antigos que me prejudicou, embora pertencentes ao processo psico-físico mesmo. Assim, um pensamento em conjunto com uma massa de partes físicas, me fez algum mal, e desapareceu lá e, em seguida, dando lugar a pensamentos sucedendo e peças de material a aparecer. Então, com a qual eu estou ficando com raiva? com os pensamentos desapareceram e desapareceu e partes físicas ou com os pensamentos e as partes materiais que não fazem nada de errado agora? Devo ficar bravo com uma coisa que é inocente enquanto outra coisa me fez mal e desapareceu ?
"O chamado 'I' não é o mesmo por dois momentos consecutivos. No momento em que o errado foi feito lá foi outro pensamento e outra massa de moléculas que foram considerados como 'I', enquanto que são considerados como 'I' em o momento presente é um pensamento diferente e coleção de moléculas, embora pertencentes ao mesmo processo. Assim sendo alguns outros fizeram de errado para outra pessoa e outra fica irritado com o outro. Não é esta uma situação ridícula? "
Se examinamos a natureza exata da nossa vida e seus acontecimentos desta maneira, nossa ira pode diminuir ou desaparecer lá e então.Há uma outra maneira, também, para eliminar a raiva upsurging. Suponha que pensamos em alguém que tenha feito de errado para nós. Em tais ocasiões, devemos nos lembrar que sofremos dano ou perda, como resultado do nosso kamma anterior. Mesmo que os outros estavam irritados com a gente, eles não poderiam nos prejudicar se não houvesse uma força latente de kamma insalubre passado cometidos por nós, que aproveitou esta oportunidade para despertar o nosso adversário. Então eu é que sou responsável por este dano ou perda, e não qualquer outra pessoa. E, ao mesmo tempo, agora, enquanto eu estou sofrendo o resultado de kamma passado, se eu, por conta disso, deve ficar com raiva e fazer algum mal a ele, por que eu acumular muito mais prejudiciais kamma que me traria correspondentemente insalubres resultados.
Se lembrarmos à mente esta lei de kamma, nossa raiva podem diminuir imediatamente. Podemos considerar tal situação de outra maneira também. Nós, como os seguidores de Buda acreditamos que nosso Bodhisatta passou através de um número incalculável de vidas praticando virtudes, antes que ele atingiu o estado de Buda. O Buda contou a história de algumas de suas vidas passadas como ilustrações para ensinar-nos como ele praticou essas virtudes. A vida dos Dhammapala príncipe eo Khantivadi ascética são mais ilustrativos e chamam a nossa atenção.
De uma só vez o Bodhisatva nasceu como filho de um rei, chamado Mahapatapa. A criança foi nomeado Culla Dhammapala. Um dia a Rainha estava sentado numa cadeira acariciando seu filho e não notou o Rei que passavam. O Rei pensou que a Rainha estava tão orgulhoso de seu filho a não se levantar de sua cadeira, mesmo quando ela viu que seu senhor, o rei passou dessa forma. Assim, ele ficou irritado e imediatamente enviados para o carrasco. Quando veio o rei ordenou-lhe arrebatar a criança dos braços da Rainha e cortar as mãos, pés e na cabeça, o que fez imediatamente. A criança, o nosso Bodhisatta, sofreu tudo isso com extrema paciência e não crescer mal-humorado ou renunciar o seu amor imparcial para seu pai cruel, mãe e lamentando o carrasco. Até agora ele tinha amadurecido na prática da tolerância e bondade amorosa naquela época.
Em outro momento, o nosso Bodhisatta era um asceta bem conhecido por sua virtude desenvolvido de tolerância e conseqüentemente, o povo o nomeou Khantivadi, o pregador da tolerância. Um dia ele visitou Benares e tomou seus aposentos no bosque do prazer real. Enquanto isso, o rei passou dessa maneira com seu harém e, vendo o asceta sentado sob uma árvore, perguntou o que ele estava praticando a virtude, a que o asceta respondeu que de paciência. O rei era um materialista, que considerava a prática da virtude de ser farsa. Então, ao ouvir as palavras do asceta, ele enviou para o carrasco e ordenou-lhe para cortar suas mãos e pés e questionou o asceta como se ele pudesse segurar a tolerância ao corte de seus membros. O asceta não se sentia mal-humorado, mas mesmo naquele tempo deitou-se estendendo a sua benignidade e segurando sua paciência intacta. Ele falou ao rei, em resposta ao efeito que sua paciência e outras virtudes não estavam em seus membros, mas em sua mente. O Rei, não sendo bem sucedido em suas tentativas de perturbar os sentimentos do asceta, cresceu mais irritado e chutou o estômago do asceta com seu calcanhar e foi embora. Enquanto isso, o ministro do rei aproximou-se e, vendo o que tinha acontecido, se curvaram diante do asceta morrendo e implorou-lhe dizendo: "Venerável, nenhum de nós concordou com este ato cruel do Rei e todos nós estamos tristes com o que tem sido feito para você por que o homem diabólico. Pedimos que a maldição do Rei, mas não nós. " Neste o asceta disse: "Que que o rei que tem causado as minhas mãos e pés para ser cortado, assim como você, viver por muito tempo na felicidade Pessoas que praticam virtudes como eu nunca ficar com raiva.." Dizendo isso, ele deu seu último suspiro.
Desde o Buda em suas vidas passadas, quando ainda imperfeito como nós a tolerância, praticada e bondade de uma tal forma elevada, por que não podemos seguir seu exemplo?
Quando nos lembramos e pensar em semelhante personagens nobres das grandes almas, devemos ser capazes de suportar qualquer dano, indiferente pela raiva. Ou se considerarmos a natureza do ciclo de renascimentos neste universo sem princípio e infinito, que será capaz de conter nossa raiva brotada. Pois, é dito pelo Buda: "Não é fácil encontrar um ser que não tenha sido sua mãe, seu pai, seu irmão, irmã, filho ou filha." Assim, com relação à pessoa a quem temos agora tomadas para o nosso inimigo, devemos pensar: "Este momento, no passado tem sido a minha mãe que me gerou no seu ventre por nove meses, deu à luz a mim, incansavelmente limpa-me de impurezas, escondi-me no seu seio, me carregou no colo e me alimenta. Este foi o meu pai em outra vida e gastou tempo e energia, envolvido em negócios penosa, com vista a manter-me, mesmo sacrificando a vida por minha causa, "e assim por diante. Quando refletir sobre esses fatos, deve-se esperar que a nossa raiva surgido contra o nosso inimigo vai diminuir.
E, ainda, devemos refletir sobre as vantagens do desenvolvimento da mente através da prática de estender bondade amorosa. Pois, o Buda expôs para nós, mil vantagens de ser analisado a partir de seu desenvolvimento. Quais são as onze? A pessoa que desenvolve inteiramente bondade amorosa dorme feliz. Ele acorda feliz. Ele não tem sonhos maus. Ele é amado pelos homens. Ele é amado até mesmo de seres não-humanos. Ele é protegido pelos deuses. Ele pode ser prejudicado nem por fogo, veneno ou uma arma. Sua mente é rapidamente composto. Sua pele é sereno. No momento da sua morte, ele passa longe unbewildered. Se ele pode ir mais longe no caminho da realização, ele irá, pelo menos, renascer na morada celestial dos Devas Brahma.
Então, por todas as maneiras possíveis semelhantes e devemos esforçar-se para saciar a nossa raiva e, finalmente, ser capaz de alargar a nossa benevolência para com todo e qualquer ser no mundo.
Quando somos capazes de conter nossa raiva e controle de nossa mente, devemos ampliar a partir de nós mesmos o amor sem limites, tanto quanto nós podemos imaginar toda permeia todas as direções e tocando todos os seres vivos com bondade amorosa. Devemos praticar esta meditação todos os dias em horários regulares, sem qualquer interrupção. Como resultado desta prática, poderemos, um dia, para atingir a jhanas ou absorções meditativas, que compreende quatro graus que implicam o controle da sensualidade, má vontade e muitas outras paixões, trazendo, ao mesmo tempo serenidade, pureza e paz de espírito.

26 de set de 2011

YOGA BRAZIL --- SER ZEN

Ser zen não é ficar numa boa o tempo todo, de papo para o ar, achando tudo lindo sem fazer nada.
Ser zen é ser ativo. É estar forte e decidido. E caminhar com leveza, mas com certeza. É auxiliar a quem precisa, no que precisa e não no que se idealiza.
Ser zen é ser simples. Da simplicidade dos santos e dos sábios. Que não precisam de nada. Nada mais que o necessário. Para o encontro, a comida, a cama, a diversão, o trabalho.
Ser zen é fluir com o fluir da vida. Sem drama, sem complicação. Na hora de comer come comendo, sem ver televisão, sem falar desnecessário. Sente o sabor do alimento, a textura, o condimento. Sente a ternura (ou não) da mão que plantou e colheu, da terra que recebeu e alimentou, do sol que deu energia, da água que molhou, de todos os elementos que tornam possível um pequeno prato de comida à nossa frente. Sente gratidão, não desperdiça.
Come com alegria. Para satisfazer a fome de todos os famintos. Bebe para satisfazer a sede de todos os sedentos. Agradecendo e se lembrando de onde vem e para onde vai.
... A chuva, o sol, o vento.
O guarda, o policial, o bandido, o açougueiro, o juiz, a feiticeira, o padre, a arrumadeira, o bancário e o banqueiro, o servente e o garçom, a médica e o doutor, o enfermeiro e o doente, a doença e a saúde, a vida e a morte, a imensidão e o nada, o vazio e o cheio, o tudo e cada parte.
Ser zen é ser livre e saber os seus limites.
Ser zen é servir, é cuidar, é respeitar, compartilhar.
Ser zen é hospitalidade, é ternura, é acolhida.
Ser zen é o kyosaku, bastão de madeira sábia, que acorda sem ferir, que lembra deste momento, dos pés no chão como indígenas, sentindo a Terra-Mãe sustentando nossos sonhos, nossas fantasias, nossas dores, nossas alegrias.
Ser zen é morrer
Morrer para a dualidade, para o falso, a mentira, a iniqüidade.
Ser zen é renascer a cada instante. Na flor, na semente, na barata, no bicho do livro na estante.
Ser zen é jamais esquecer de um gesto, de um olhar, de um carinho trocado no presente-futuro­passado.
Ser zen é não carregar rancores, ódios, cismas nem terrores.
Ser zen é trocar pneu, as mãos sujas de graxa.
Ser zen é ser pedreiro, fazendo e refazendo casas.
Ser zen é ser simplesmente quem somos e nada mais. É ser a respiração que respira em cada ação. É fazer meditação, sentar-se para uma parede, olhar para si mesmo. Encontrar suas várias faces, seus sorrisos, suas dores. É entregar-se ao desconhecido aspecto do vazio. Não ter medo do medo. Não se fazer ou, se o fizer, assim o perceber e voltar.
Ser zen é voltar para o não-saber, pois não sabemos quase nada. Não sabemos o começo, nem o meio, muito menos o fim. E tudo tem começo, meio e fim.
Ser zen é estar envolvido nos problemas da cidade, da rua, da comunidade. É oferecer soluções, ter criatividade, sorrir dos erros, se desculpar e sempre procurar melhorar.
Ser zen é estar presente. Aqui, neste mesmo lugar. Respirando simplesmente, observando os pensamentos, memórias, aborrecimentos, alegrias e esperanças.
Quando? Agora, neste instante. É estar bem aqui onde quando se fala já se foi. Tempo girando, correndo, passando, e nós passando com ele. Sem separação.
Ser zen é Ser Tempo.
Ser zen é Ser Existência.