Estatística

23 de jul de 2011

YOGA BRAZIL --- A HISTÓRIA DE KANDATA


Conforme a tradição budista, há cerca de 3 mil anos, um conhecido ladrão e mentiroso chegou ao fim de sua jornada terrena, depois de ter enganado muita gente. Conta a história que sua alma foi então para as regiões onde se aglomeram por afinidade, na parte mais baixa do astral, os seres que viveram na terra um grosseiro materialismo. Ali, durante séculos, o ladrão suportou agonias tremendas, corroído pelos remorsos. Sofria sem esperanças até que, um dia, o Senhor Buda começou a pregar na Terra a doutrina da verdade e da fraternidade.
Segundo a tradição, naquele momento um raio de luz divina iluminou, fugazmente, a humanidade toda e chegou até mesmo à região onde se encontrava Kandata, o delinqüente. Um pressentimento de fé e esperança nasceu então em seu íntimo. Havia percebido amargamente a inutilidade  de sua falsa inteligência. Queria buscar aquela luz. E disse, então: "Ah, Senhor abençoado, sofro profundamente, porque vejo e revejo sempre todo mal que fiz. Quero melhorar e entrar no caminho, seguindo o ideal, mas não tenho força. Ajuda-me!"
Conforme antiga doutrina, as más ações se autodestroem, enquanto as boas  geram frutos que se multiplicam. Respondendo ao apelo de Kandata, uma voz - que parecia vir de dentro - então lhe perguntou: "Kandata, será que algum dia, durante tua última vida, fizeste uma boa ação, por menor que seja? Ela pode ajudar-te, agora, a sair do estado lamentável em que estás. Mas para isto, terás também que abandonar, de agora em diante, todo egoísmo".
Kandata curvou a cabeça e ficou pensativo. Revisou outra vez toda sua vida cuidadosamente, procurando uma boa ação. Foi difícil achar alguma. Até que lembrou de algo e disse: "Um dia eu andava pelo bosque e decidi não pisar em uma pequena aranha, porque tive pena dela. Pensei que aquele pobre animal era fraco e não fazia mal a ninguém. Para que iria matá-la?".
Houve um momento de silêncio, como se um ser compassivo pesasse os sofrimentos de Kandata. Então, como por milagre, apareceu diante dele uma aranha suspensa por um fio. "Agarra este fio e sobe por ele. Ele te sustentará", explicou a voz. A aranha desapareceu. O homem agarrou-se ao fio, aparentemente frágil, e começou a subir.
Fino, mas forte, o fio da aranha resistia. Kandata seguia subindo. O inferno já estava lá embaixo, quase longe, quando o homem sentiu o fio estremecer. Kandata olhou para baixo e viu, então, que outros homens, ex-companheiros de miséria, haviam agarrado o mesmo fio e começavam a subir por ele. Queriam libertar-se dali também. Kandata ficou aterrorizado. Temia que fio se rompesse.
O fio resistia, agora, ao peso de várias pessoas, e esticava cada vez mais. Kandata já não olhava para cima. Preocupava-se sempre com a resistência do fio que já sustentava tanta gente e olhava para baixo, enquanto se movia para cima. Até que o medo egoísta tomou conta da sua consciência e ele gritou: "Este fio de aranha é meu. Larguem todos vocês esta esperança de salvação, que pertence apenas a mim". No mesmo instante, o fio de aranha partiu-se e Kandata caiu de volta ao abismo, junto com o grande cacho de seres humanos que estava pendurado no fio de aranha, na esperança de sair daquela região de dor.
A moral da história é tão clara, que fica a cargo de cada um. O sentido da fraternidade, contudo, ressalta dela, como base da Vida Una, ligando todos os reinos da natureza. No universo somos todos interdependentes - do pequenino átomo às consciências estelares - todos fazendo parte da imensurável consciência divina, dispersa em seus infinitos corpos e em suas infinitas faces. Ou seja, "ninguém se salva sozinho".

Nenhum comentário:

Postar um comentário