Estatística

1 de set de 2011

YOGA BRAZIL --- VERSOS DE PADAMPA SANGYE


Os objetos materiais são como nuvens e neblina; nunca ache que eles possam durar.
A forma é como um eco; não procure a estima, procure a sua própria essência.
Belas roupas são como as cores do arco-íris; vista-se de maneira simples e aplique-se na prática.
Este seu corpo é um saco de sangue, pus e linfa; não o estime.
Mesmo as refeições deliciosas se transformam em excremento; não dê grande importância à comida.
Os fenômenos surgem como inimigos; fique em eremitérios ou nas montanhas.
Os espinhos da percepção ilusória ferem a mente; experiencie-os como sendo de igual natureza.
Os desejos e necessidades vêm de você mesmo; mantenha-se na própria natureza da mente.
A jóia mais preciosa está dentro de você; não cobice comida e riqueza.
Muita conversa traz apenas brigas; haja como se fosse um mudo.
A mente tem sua própria habilidade natural; não siga apenas as ordens de seu estômago.
As bênçãos surgem da mente; reze ao seu lama e ao seu yidam.
Se você ficar em algum lugar por muito tempo, você vai achar falhas até mesmo no Buddha; não fique em qualquer lugar por muito tempo.
Você deve agir de maneira humilde; abandone o orgulho em sua posição.
Você não vai estar aqui por muito tempo; pratique agora, sem atraso.
Você é como um viajante nesta vida; não construa um castelo onde você vai apenas descansar um pouco.
Nenhuma ação será de qualquer valia; coloque a realização em prática.
Nunca se sabe quando o corpo se tornará alimento de minhocas, ou quando vai simplesmente desaparecer; não se distraia pelas aparências desta vida.
Os amigos e relacionamentos são como pequenos pássaros em um galho; não se apegue a eles.
A fé confiante é como uma fundação excelente; não a deixe nos resíduos das emoções negativas.
Esta forma humana é como uma jóia preciosa que realiza desejos; não a deixe com seu inimigo, o ódio.
O compromisso é como uma torre de sentinela; não o contamine com suas falhas.
Enquanto o mestre-vajra estiver com você, não deixe o Dharma ser levado pela preguiça.

Nenhum comentário:

Postar um comentário